Legião Urbana e Paralamas Juntos

Setembro de 1988: duas das três maiores bandas do rock nacional (que havia virado febre entre os ouvintes – jovens e adultos – quatro anos antes) ganham um especial na poderosa Rede Globo, que ainda não entendia muito bem o que estava acontecendo, mas queria pegar uma carona na moda do momento. O resultado foi o especial “Legião Urbana e Paralamas Juntos”, que mais de vinte anos depois chega às lojas em edição caprichada (CD+DVD).

Porém, antes de qualquer coisa, é preciso entender o cenário da época, com seus atenuantes e agravantes. Animados pelo sucesso do Plano Cruzado I, o povão foi às lojas e gastou tudo o que podia, e um pouco mais. O RPM bateu 2 milhões de cópias vendidas. O segundo álbum da Legião, “Dois” (na cola dos estourados – na Inglaterra – Smiths), vendeu 600 mil cópias de cara, e o Paralamas também alcançou boas vendagens do álbum “Selvagem?”, que enfim dava sinais de abandono ao culto ao Police presente nos dois primeiros discos. Mas ai veio o Cruzado II, a Inflação e o cenário encolheu, mas nem tanto.

Um espectador desavisado, que não conhece o Brasil do século passado, não vai entender bulhufas de “Legião Urbana e Paralamas Juntos”. Ou terá pequenas impressões que vão desde perceber como a Rede Globo nunca soube filmar shows (a experiência adquirida em filmagens de futebol deveria ser trocada com os ingleses, experts em registros de shows ao vivo), muito menos editar. O especial começa com Renato Russo encapotado e com cachecol. Na seqüência, corte para um Herbert Vianna de camiseta e completamente suado em claro sinal de fim de show. Nota 0 para a edição.

Essas duas primeiras músicas (“Será” e “Meu Erro”) forçam uma comparação, e é incrível com Os Paralamas colocam a Legião no bolso no quesito instrumental. João Barone é um monstro, e massacra seu kit com vontade. A melodia do baixo de Bi Ribeiro é assombrosa e Herbert mostra qualidades na guitarra enquanto a Legião, ainda com Negrete no baixo e ancorada por um inspirado Renato Russo, é uma banda punk de instrumental desprezível tocando na maior emissora de TV do país clássicos do quilate de “Será” (um Buzzcocks alegrinho), “Tédio (Com um T Bem Grande Pra Você)”, “Que Pais É Este” (dois punk rocks energéticos), “Tempo Perdido” e “Eu Sei“ (Smiths, Smiths, Smiths).

Por uma série de conjecturas, a Legião era bem maior que os Paralamas na época, mesmo o segundo soando muito mais banda que o primeiro. E todo crédito tem que ser dado a Renato Russo, que soa infantil e deslocado nas entrevistas, mas se transforma em um poderoso frontman no palco. Dado Villa-Lobos, Marcelo Bonfá e Renato Rocha são apenas coadjuvantes em um palco cuja luz é jogada sobre Renato Russo, sua voz cativante e suas letras (a força de “Tempo Perdido” ao vivo arrepia a alma).

Na platéia, dezenas de globais (como Malu Mader e Silvia Buarque) cantam a plenos pulmões canções que seriam hinos de sua geração. A atriz Claudia Abreu, que ainda nem tinha 18 anos, representa a ala jovem no setor das entrevistas, mas são dos coroas as melhores impressões, como Tony Ramos que diz: “É uma manifestação dessa época. Eu mesmo, que não tenho esse pique, fui descobrindo nas letras e nas manifestações deles coisas ótimas”. Bussunda sarreia: “Eu não consigo entender as letras, mas gostaria muito de ter ido ao show da Legião Urbana em Brasília. Rock’n'roll é isso: é garra, é força, é luta!”.

Um dos comentários mais lúcidos é assinado pelo novelista Carlos Lombardi, que define Legião e Paralamas como “grupos urbanos. Eles são a cara do Brasil de hoje. Eles tem uma coisa muito moderna, sem ser simplificada. As músicas são simples, mas esse simples não é o contrário de sofisticado. Eles são muito modernos e muito interessantes”. No fim, Gabeira espeta e define: “Eu queria ver as letras do Legião no som do Paralamas”. Renato e Herbert também dão seus depoimentos, nenhum deles acrescentando nada a história de suas bandas.

No quesito repertório, mais um ponto para os Paralamas, que brincam com “Depois Que o Ilê Passar”, enfiam “De Frente Para o Crime” dentro de “Alagados” e optam por um lado b, a bonita “Dois Elefantes”, ao invés da dezena de hits óbvios jogados na gaveta. Sem contar “O Beco”, um arraso. Já a Legião brilha mesmo quando dá às mãos para o Paralamas, seja no dueto voz (Renato Russo, sensacional) e guitarra (Herbert e uma Gibson Les Paul) para a canção “Nada Por Mim” ou na arrasadora versão de “Ainda É Cedo”, com as duas bandas juntas no palco, citação de “Jumpin’ Jack Flash”, dos Stones, e intervenção guitarreira de Herbert.

Os extras são para fãs: sete playbacks no Globo de Ouro (quatro do Paralamas e três da Legião) e o clipe tosquissimo de “Que Pais É Este?” feito exclusivamente para o Fantástico. Muita coisa bacana ficou de fora como as duas bandas juntas tocando “The Song Remais The Same“, do Led Zeppelin, “Purple Haze”, de Jimi Hendrix e “Get Back“, dos Beatles (todas tocadas em trechos na introdução, mas que poderiam ter surgido na integra nos extras) ou Herbert e Renato escolhendo qual música ficaria melhor no dueto voz e guitarra (o vozeirão de Renato cantando na intro de “Ska“ no começo do especial é de arrepiar).

Como retrato de uma época, “Legião Urbana e Paralamas Juntos” é exemplar – e deixa saudades. O Globo Repórter com o RPM (incluso no box “RPM 25 Anos”) já não está mais só na missão de lembrar como foram os anos 80 para o rock brasileiro, e a evolução destes 20 anos (em termos de produção de palco, repertório e perda de inocência) é impressionante, o que de forma alguma deslegitima aquelas velhas (e clássicas) canções, todas tão presas ao inconsciente coletivo nacional que até fazem parecer que sempre estiveram ali. Agora é esperar que a Globo Marcas coloque nas lojas o segundo encontro deste projeto que reuniu Titãs e Barão Vermelho. A memória e a história agradecem.

“Legião Urbana e Paralamas Juntos”, CD + DVD (EMI)
Preço em média: R$ 34,90

Por Marcelo Costa [Scream & Yell]

4 comentários:

Zé, de sobrenome Forner. disse...

Cara, o blog é muito bom!!!!E aí vai um pedido: Não acho em nenhum lugar na net a entrevista do Dado e do Marcelo no Programa Livre depois da morte do Renato...
Sabe onde ue posso achar essa raridade?
Aí vai meu email, caso possa me ajudar: renatoforner@gmail.com

Valeu
Um abraço!

P disse...

La vida es esto. Prestémosle atención a los
detalles. Al calorcito humeante del pis, a sacar la basura, a viajar apretados
en colectivo. Si no disfrutamos eso, ¿qué nos queda?

LeLLa disse...

Legião Urbana!!
Muito bom esse blog!!!
Eu tbm tento axar entrevistas de bonfa e Dado depois que Renato Russo morreu e naum consegui ainda.Deve ser um tesouro!!
Qualquer coisa me avisa!!
Tbm quero axar as musicas q Renato Russo não teve tempo de gravar,q ficaram só no papel.
Obrigada!!

Anônimo disse...

cialis super viagra viagra for cheap how viagra works cheapest uk supplier viagra online viagra viagra cialis levitra viagra from india buy viagra in london england over the counter viagra 18 takes viagra how viagra works viagra canada cheap viagra canada viagra and cannabis